Sobre as escolhas que a gente faz

Mostra Cultural Fun Day 2017

Quanto mais o tempo vai passando, mais eu acredito na diferença que as nossas escolhas fazem na vida dos nossos pequenos e pequenas.
Em menos de uma semana, presenciei eventos relacionados à escola da Isa que fortaleceram ainda mais este meu pensamento.
Sempre que eu escuto alguém dizendo que as crianças hoje em dia são muito diferentes das de antigamente, me pego pensando que as crianças continuam iguais, o que mudou foi a forma com que lidamos com elas e o entorno que proporcionamos para o seu desenvolvimento.
Hoje, as crianças vão para a escola bem mais novas, inclusive o ensino obrigatório adiantou-se do ensino fundamental para a educação infantil, e desde muito cedo interagem com outras crianças. Aquela relação que em outros tempos dava-se dentro do meio familiar entre irmãos, irmãs, primos e primas, hoje se expande para algo mais amplo em um meio que foge ao controle dos adultos da própria família.
As crianças encontram em seus semelhantes uma diversidade de pensamentos, crenças e valores, que vai construindo em cada uma o seu jeito de perceber e interagir com o mundo e com os demais.
Professores e professoras que integram este universo escolar, adicionam sua pitada de colaboração para que esta mistura de saberes dê liga e se concretize. Estes mesmos profissionais vem carregados de seus valores e crenças na mesma proporção que as crianças e cada um a sua maneira vai trabalhando em prol do desenvolvimento e da sistematização das informações que flutuam entre todos.
Assim, tão pequenos são influenciados pelas decisões que nós adultos tomamos à respeito de suas vidinhas e vão construindo suas próprias identidades.
Entrei nesta reflexão dos últimos dias quando presenciei a apresentação de Hapkido da Isa. De uma maneira que só mesmo vendo para compreender, as crianças demonstravam com uma segurança incrível tudo o que haviam aprendido com o professor no decorrer do ano. Eu, em minha total ignorância, não tinha a menor compreensão do que acontecia semanalmente nas aulas que ela tem na escola que frequenta. Respeito ao professor, aos comandos, à faixa, ao quimono, ao espaço. Tudo demonstrado nas pequenas ações que executavam. O professor era o único adulto naquela relação e ocupando um papel fundamental naquele momento conseguiu colocar as crianças no centro de todas as atenções.
Menos de uma semana depois, mais uma Mostra Cultural da escola dela aconteceu e, ao presenciar o que crianças tão pequenas, junto com seus amigos, responsáveis e professores são capazes de produzir, conclui que, de fato, nossas escolhas são fundamentais para o desenvolvimento delas.
Estar nesta escola, com estes amigos e amigas, acompanhada destes professores e professoras e inserida nas atividades que está acompanhando todas as semanas, vai colaborando para que ela se torne cada dia mais aquilo que ela é.
Talvez se tivéssemos feito outras escolhas, se nos relacionássemos com outras pessoas e encontrássemos outros profissionais, a química não seria mesma e consequentemente o resultado fosse completamente diferente.
Acredito, também, que muito do que somos nasce junto com a gente, mas que grande parte também é formado ao longo dos anos pelo meio em que vivemos.
Por isso, senhores e senhoras adultos e adultas, vamos nos atentar sempre às escolhas que fazemos, pois elas farão uma grande diferença nas vidas das nossas crianças. Sejamos nós, pais, mães, responsáveis legais ou não ou qualquer profissional que decida se ocupar deste grupo tão seleto, nossa responsabilidade é grande e, se queremos uma geração de crianças saudáveis, devemos ser cuidadosos e fazer sempre o nosso melhor.

Até a próxima!

Deixe uma resposta