Dias de Pollyanna Adormecida

Não sei exatamente por onde começar, mas preciso contar que tem dias que minha Pollyanna interior adormece e fica muito difícil jogar o Jogo do Contente.

Para quem não conhece, Pollyanna é a personagem principal de um clássico da literatura infanto-juvenil com o mesmo nome. Órfã, esta menina aprendeu com seu pai o jogo do contente, que nada mais é do que aprender a ver em toda situação, por mais complicada que seja, um motivo para estar contente.

Pois os últimos dias por aqui foram tão conturbados, que tive receio de não ser capaz de enxergar motivos para estar contente no final do dia.

O seriado da otite entrou em uma nova temporada, mas agora recheado de novidades que nada nos agradaram. Após os dez dias com o antibiótico super horrível, retornamos na médica que estava acompanhando o processo, dando entrada pelo pronto socorro do hospital como orientado. Saímos de lá contentes com a informação de que estava tudo dentro do esperado: a membrana do ouvido opaca, mas normal. Dentro de algumas semanas volta ao aspecto saudável.

Já em casa, correndo para dar tempo de almoçar e ir para nossos compromissos diários, vemos a notícia na TV de que o nosso plano de saúde acabava de quebrar. Naquele mesmo dia, o hospital infantil que estávamos habituados a usar, não atendia mais nosso plano.

Estaria tudo razoavelmente bem, se não fosse, no dia seguinte, o ouvido da Isa saindo secreção  novamente. Desta vez tivemos que ir em um hospital da rede própria do convênio, sem muita certeza do que encontraríamos por lá.

Hospital lotado e um pronto socorro infantil com uma estrutura impossível de se comparar com o que estávamos habituados. Porém, seres humanos que me surpreenderam pela dedicação, tranquilidade e carinho no atendimento.

Lá não havia uma especialista, mas uma pediatra que ouviu todo o histórico do problema que a Isa vem enfrentando e deu continuidade ao tratamento como eu já sabia que teria que ser: injeções.

Três dias de tratamento, indo ao mesmo hospital para receber a medicação. No primeiro dia ela não tinha consciência do que estava acontecendo. No segundo, começou a chorar logo que entrou na sala de medicação. No terceiro, tentou vestir a calça assim que eu tirei.

Nos três dias senti vontade de chorar junto com ela. Não só pela injeção, mas por todo contexto. Hospital diferente, transição de plano de saúde, tratamentos que não dão resultado, mais dias afastadas das nossas rotinas e a incerteza do sucesso.

Não chorei com ela, mas tive meu momento de deixar as lágrimas transbordarem para aliviar toda angústia da situação.

Mas a vida é boa e o universo conspira por nós. Os dias passam e a Pollyanna vai despertando. Apesar da fragilidade dos dias, sem saber ao certo se a história da otite acabou, retomamos nossa rotina na torcida para que tudo tenha dado certo.

otiteA Isa, como sempre, não perdeu o bom humor e foi feliz todos os dias. Chorava para as injeções, mas fez amigos na espera e mediu com passos o corredor do pronto socorro.

Sua alegria contagia e garante nossa dose diária de felicidade!

E que venham os próximos dias, os próximos episódios e a promessa de boas novas do tratamento realizado.

Até breve!

 

 

 

 

 

One comment

  1. carina says:

    Querida Camila Deus te deu uma Polianinha, que está sempre sorrindo e feliz, para mostrar que apesar de alguns dias serem mais difíceis do que outros a vida é linda!!!! Principalmente bem acompanhada! Bjs Torcendo para tudo se resolver o mais rápido possível.

Deixe uma resposta